Estudo da viabilidade do uso do sistema de fôrmas deslizantes em comparação com o sistema fôrmas convencionais

João Carlos Medeiros Lima, Ramon Yogo Marinho Vieira, Maria Rôsangela De Oliveira

Resumo


O crescimento dos centros urbanos e o desenvolvimento industrial têm exigido cada vez mais das construções e dos seus métodos que em sua grande maioria são muito antigos e às vezes arcaicos. As construtoras se deparam com novos projetos, novos desafios e novas filosofias que as obrigam a pensar de forma holística. Exige-se destes construtores a industrialização da obra, para que se possa atender curtos prazos, redução de custos e fazer com que isso tudo possa atender estruturas cada vez mais arrojadas, dinâmicas e diferentes. Nesse sentido o presente trabalho tem como objetivo analisar um sistema construtivo de fôrmas deslizantes, método que apesar de já ter mais de 100 anos desde a sua primeira utilização se encaixa perfeitamente na temática da construção civil moderna. Este sistema tem como seu principal objetivo acelerar ou industrializar o canteiro de obras através de uma mecanização dos processos construtivos e de uma sistemática onde permite que todas as atividades envolvidas com o mesmo acorram de forma simultânea. O trabalho destaca outro grande aspecto do sistema que é a sua viabilidade econômica quando se trata de estruturas de médio e grande porte, frente a sistemas convencionais de fôrmas. Para analisar dados e teorias existentes, foi realizado um estudo de caso nos pilares de um pré-aquecedor de uma fabrica de cimento onde se utilizou em ambos, os sistemas de fôrmas e foi realizado também uma analise e comparação da viabilidade físico/financeira do método de fôrmas deslizantes diante do método convencional. Assim, espera-se contribuir com este trabalho como fonte de pesquisa auxiliando o corpo técnico e cientifico dos meios afins, tendo-se já existem poucas bibliografias que possam dar respaldo sobre o tema.

Palavras-chave


Construção Civil; Fôrmas Deslizantes

Texto completo:

PDF


Vetor, ISSN Impresso: 0102-7352, E-ISSN: 2358-3452, Rio Grande - RS. Brasil.