<b>Ensino de História, medievalismo e etnocentrismo</b>

Autores

  • Nilton Mullet Pereira Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS. Porto Alegre/RS

Palavras-chave:

Ensino de História. Medievalismo. Etnocentrismo.

Resumo

Este artigo quer compreender como se constitui e funciona um dispositivo de subjetivação que tem produzido, através do ensino de História, modos de olhar para a civilização medieval. Trata-se do dispositivo da medievalidade, o qual implica uma série de estratégias discursivas enunciadas de formas diversas, dentre as quais, as publicações didáticas de História para o ensino fundamental, que teriam como enunciação a idéia de que a Idade Média teria sido uma época de Trevas, espaço da “infância das nações”, onde ainda os homens viviam num estado de ingenuidade e quase selvageria. O artigo examina o discurso que tem moldado a maneira como a nossa sociedade tem transmitido o conhecimento sobre o mundo medieval, no sentido de discutir as estratégias discursivas através das quais a noção de Idade das Trevas tem sido construída e transmitida às novas gerações,nas salas de aula de História. Trata-se, portanto, de uma discussão que decorre de uma pesquisa já realizada e que aqui se apresenta para lançar o debate acerca das relações do modo como se tem olhado para a Idade Média e do modo como se tem construído as histórias de africanos e indígenas, no âmbito do ensino de História. Nesse sentido, importa, enfim, discutir os vínculos, seguindo a trilha da afirmativa de Le Goff sobre o medievo como a “infância das nações”, entre o modo como as novas gerações constroem sua leitura sobre a Idade Média e o modo como se tem construído a subjetividade dos povos e das culturas conquistadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nilton Mullet Pereira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS. Porto Alegre/RS

Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação - UFRGS - Porto Alegre/RS.

Downloads

Publicado

2013-01-18

Como Citar

Pereira, N. M. (2013). &lt;b&gt;Ensino de História, medievalismo e etnocentrismo&lt;/b&gt;. Historiæ, 3(3), 223–238. Recuperado de https://periodicos.furg.br/hist/article/view/3271

Edição

Seção

Artigos