<b>Comparar a aula de História com ela mesma: valorizar o que acontece e resistir à tentação do juízo exterior (ou uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa)</b>

Autores

  • Fernando Seffner Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS. Porto Alegre/RS

Palavras-chave:

Ensino de história. Cenas escolares. Aprendizagens significativas em História. Formação docente.

Resumo

Uma aula de história é o que nela acontece. Essa definição traz em si uma constatação que valoriza, de modo positivo, o que efetivamente acontece nas aulas de história. A partir de ponderações sobre cenas acontecidas nestas aulas esse texto se propõe a pensar possibilidades de construção de aprendizagens significativas em história, no ensino fundamental e no ensino médio. Desta forma, as reflexões aqui feitas contribuem para afastar aquele que tem sido um movimento sempre presente nas avaliações da qualidade das aulas de história: situar em algum lugar fora da escola a “verdade” sobre a aula de história. O resultado deste processo já é sabido: a aula de história, no ensino fundamental ou no ensino médio, tira sempre uma “nota baixa” neste exercício de comparação, é vista como local de saberes degradados. E se a gente resistir a esta tentação, e não comparar a aula de história com outras realidades que lhe são exteriores, e examinar o que nela vem acontecendo, com olhos mais generosos? Esta é a proposta deste texto, em que se pensa a partir de anotações etnográficas de aulas de história. A partir do que acontece nas aulas, buscamos alternativas de trabalho na produção de aprendizagens significativas em história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Seffner, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS. Porto Alegre/RS

Licenciado em História, com Doutorado em Educação. Professor do Departamento de Ensino e Currículo da Faculdade de Educação da UFRGS. Professor do Programa de Pós Graduação em Educação da UFRGS, na linha de pesquisa Educação, Sexualidade e Relações de Gênero

Downloads

Publicado

2012-01-03

Como Citar

Seffner, F. (2012). &lt;b&gt;Comparar a aula de História com ela mesma: valorizar o que acontece e resistir à tentação do juízo exterior (ou uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa)&lt;/b&gt;. Historiæ, 3(1), 121–134. Recuperado de https://periodicos.furg.br/hist/article/view/2482

Edição

Seção

Dossiê