REGISTRO DA TRANSMISSÃO VERTICAL EM CAMUNDONGOS BALB/C COM TOXOCAROSE CRÔNICA

Autores

  • Luciana Avila
  • Juliana Santos Vieira da Fonseca
  • Raquel Dutra Furtado
  • Patrícia de Souza Aguiar
  • Gisele Ferreira Dutra
  • Paula de Lima Telmo
  • Maria Elisabeth Aires Berne
  • Pedro Eduardo Almeida da Silva
  • Carlos James Scaini

Palavras-chave:

Zoonose parasitária, Toxocara canis, Transmissão vertical

Resumo

A toxocarose ou síndrome da larva migrans visceral (LMV) é um problema de saúde pública subestimado. A ingestão de ovos embrionados de Toxocara canis constitui-se na principal forma de infecção para os seres humanos, porém existe a possibilidade da ocorrência da transmissão vertical. Além disso, já foi registrada em camundongos infectados experimentalmente durante a gestação. Este estudo teve como objetivo registrar a ocorrência da transmissão vertical de larvas de T. canis em sete camundongos BALB/C fêmeas com toxocarose crônica, acasaladas após 60 dias de infecção experimental. Foram detectadas larvas nos tecidos encefálicos de 19,6% (10/51) dos filhotes. Diante da ocorrência da transmissão vertical por larvas de T. canis, em modelos experimentais com toxocarose crônica, torna-se importante investigar a ocorrência dessa zoonose em seres humanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-03-03

Como Citar

Avila, L., Fonseca, J. S. V. da, Furtado, R. D., Aguiar, P. de S., Dutra, G. F., Telmo, P. de L., Berne, M. E. A., Silva, P. E. A. da, & Scaini, C. J. (2011). REGISTRO DA TRANSMISSÃO VERTICAL EM CAMUNDONGOS BALB/C COM TOXOCAROSE CRÔNICA. VITTALLE - Revista De Ciências Da Saúde, 21(1), 9–14. Recuperado de https://periodicos.furg.br/vittalle/article/view/1846

Edição

Seção

Artigos