Avaliação da adesão ao tratamento medicamentoso de pacientes idosos atendidos em um Ambulatório de Geriatria

Autores

  • Ellen Oliveira da Trindade Universidade Federal da Paraíba https://orcid.org/0000-0002-6263-9489
  • Rosa Águida Donosora de Melo Souto Universidade Federal da Paraíba, Hospital Universitário Lauro Wanderley, Setor de Farmácia Hospitalar. João Pessoa, PB, Brasil https://orcid.org/0000-0002-4362-6279
  • Gislayne Azevedo de Campos Alves Universidade Federal da Paraíba, Hospital Universitário Lauro Wanderley, Setor de Farmácia Clínica. João Pessoa, PB. https://orcid.org/0000-0003-0964-2221
  • Hemerson Iury Ferreira Magalhães Universidade Federal da Paraíba/Departamento de Ciências Farmacêuticas. https://orcid.org/0000-0002-2652-1731

DOI:

https://doi.org/10.14295/vittalle.v32i3.11089

Palavras-chave:

Adesão à Medicação, atenção farmacêutica, saúde do idoso, equipe multiprofissional, acesso aos Serviços de Saúde

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar a adesão à terapia medicamentosa, por pacientes idosos atendidos pelo serviço ambulatorial de geriatria, em Hospital Universitário localizado em João Pessoa – Paraíba. Trata-se de um estudo descritivo, transversal, com abordagem quantitativa. Foram incluídos os pacientes de ambos os sexos, com 60 anos ou mais, que possuíam consultas agendadas e estavam em uso regular de medicamentos. A amostra compôs-se de 88 idosos, a coleta de dados foi realizada através de uma entrevista realizada antes da consulta médica. Foram utilizados dois instrumentos: um questionário contemplando variáveis socioeconômicas e inerentes ao uso de medicamentos, seguido da Medida de Adesão aos Tratamentos (MAT). Os dados foram analisados através do programa estatístico IBM SPSS® versão 20.0 para Windows®. Os resultados demonstraram uma população com 72,6 ± 7,4 anos, majoritariamente feminina (78,4%). A partir da aplicação da MAT a frequência de não adesão ao tratamento medicamentoso foi de 40,9%, enquanto que 59,1% foram considerados aderentes. A polifarmácia foi relatada por 50% dos idosos, 82,9% eram hipertensos e apenas 12,5% informou nunca ter se esquecido de tomar os medicamentos. A dificuldade em aquisição destes foi relatada por 46,6%, e 52,3% dependem em parte da distribuição de medicamentos básicos e especializados através do SUS. Apesar da maioria dos idosos terem se mostrado aderentes ao tratamento medicamentoso, um número importante foi considerado não aderente. A busca por melhores índices de adesão deve ser objetivada por toda a equipe de saúde, visando uma melhor qualidade de vida para os idosos usuários de medicamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ellen Oliveira da Trindade, Universidade Federal da Paraíba

Farmacêutica pela Universidade Federal da Paraíba, Residente no Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde Hospitalar do Centro de Ciências da Saúde da UFPB. João Pessoa, PB

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

da Trindade, E. O., de Melo Souto, R. Águida D., Alves, G. A. de C., & Magalhães, H. I. F. (2020). Avaliação da adesão ao tratamento medicamentoso de pacientes idosos atendidos em um Ambulatório de Geriatria. VITTALLE - Revista De Ciências Da Saúde, 32(3), 35–44. https://doi.org/10.14295/vittalle.v32i3.11089

Edição

Seção

Pesquisa