<b>A Estrutura de Capital de Empresas do Sul Brasileiro como um Condicionante à Rentabilidade – Um Estudo Empírico à Luz de Teorias Financeiras.</b>

Autores

  • Ana Paula Capuano da Cruz
  • Roselaine da Cruz Mendes
  • Rafael Capuano da Cruz
  • André das Neves Dameda
  • Márcia Maria dos Santos Bortolocci Espejo

Palavras-chave:

Estrutura de Capital, Rentabilidade, Endividamento, Teorias Financeiras.

Resumo

O presente estudo foi desenvolvido com o objetivo de verificar se a estrutura de capital das empresas que integram o ranking das maiores do sul do Brasil condiciona a sua rentabilidade. A pesquisa caracteriza-se como um estudo de natureza formal, causal, ex post facto, desenvolvido em ambiente de campo, rotulada como uma investigação transversal estatística. A amostragem demandou a exclusão de 52 companhias, tendo restado 448 empresas. A operacionalização dos constructos da pesquisa à solução da problematização desenvolveu-se por meio de estatísticas descritivas, testes de hipóteses não paramétricos (Kolmogorov-Smirnov, Mann-Whitney e Kruskal-Wallis) e regressão linear simples, calculados com o software SPSS. Os resultados sugerem a existência de relação negativa entre endividamento e rentabilidade, conduzindo à aceitação da teoria de Pecking Order, rejeitando-se a existência de uma estrutura de capital ótima (Trade-Off) ou ainda a Teoria da Irrelevância da Estrutura de Capitais. Analogamente, os resultados da análise isolada para as empresas rentáveis estão apoiados pela Teoria de Pecking Order. Todavia, para o grupo de empresas não rentáveis, verifica-se a sobreposição das Teorias de Trade-Off e da Irrelevância da Estrutura de Capitais à Teoria de Pecking Order. Os resultados provenientes da análise dos quatro setores mais representativos mostram-se semelhantes àqueles verificados na análise conjunta das 448 empresas estudadas, todavia, fornecem indícios de variáveis que podem proporcionar conclusões adicionais à temática pesquisada. No entanto, em linhas gerais, depreende-se que a Teoria da hierarquia de Pecking Order tende a ser mais consistente para explicar a estrutura de capital das maiores empresas do sul brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Capuano da Cruz

Doutoranda em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (USP) Mestre em Contabilidade pelo PPG Mestrado em Contabilidade da Unviersidade Federal do Paraná (UFPR)

Roselaine da Cruz Mendes

Especialista em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio Grande

Rafael Capuano da Cruz

Bacharel em Adminsitração pela Universidade Federal do Rio Grande e Mestrando em Adminsitração pelo CPGA da Unviersidade Federal de Santa Catarina

André das Neves Dameda

Professor do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Contabilidade e Finanças da Universidade Federal do Rio Grande e Mestre em Ciências Contábeis pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade do Vale dos Sinos

Márcia Maria dos Santos Bortolocci Espejo

Professora do PPG Mestrado em Contabilidade da Universidade Federal do Paraná e Doutora em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo

Downloads

Publicado

2011-06-28

Como Citar

Cruz, A. P. C. da, Mendes, R. da C., Cruz, R. C. da, Dameda, A. das N., & Espejo, M. M. dos S. B. (2011). &lt;b&gt;A Estrutura de Capital de Empresas do Sul Brasileiro como um Condicionante à Rentabilidade – Um Estudo Empírico à Luz de Teorias Financeiras.&lt;/b&gt;. SINERGIA - Revista Do Instituto De Ciências Econômicas, Administrativas E Contábeis, 12(2), 9–20. Recuperado de https://periodicos.furg.br/sinergia/article/view/1034

Edição

Seção

Artigos