Da colonialidade à sociedade de risco: a posição da Educação Ambiental em frente a esse diálogo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/remea.v37i3.10928

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Colonialidade e Sociedade de risco

Resumo

O presente artigo apresenta uma reflexão sobre a questão socioambiental e sua interface com as questões políticas no processo de construção do conhecimento. O texto foi escrito na forma de ensaio, utilizando uma análise teórica da modernidade, sociedade de risco e Educação Ambiental a partir de três artigos deste campo: A política da sociedade de risco, de Ulrich Beck (2010); Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina, de Aníbal Quijano (2005) e Educação Ambiental e Epistemologia Crítica, de Carlos Frederico B. Loureiro (2015). Nesse contexto, buscamos refletir a relação entre colonialidade e formação da sociedade de risco na linha do tempo pós-industrial articulando com o debate acerca da Educação Ambiental crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisângela Lazzari, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG

Formada em Ciências Biológicas Licenciatura pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG), mestranda no Programa de Pós Grauação em Educação Ambiental (PPGEA) na linha de pesquisa em Educação não formal

Sérgio Botton Barcellos, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Professor da área de Sociologia e do Programa de Pós graduação em Educação Ambiental (PPGEA) pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Referências

ASSIS, Wendell Ficher Teixeira. Do colonialismo à colonialidade: expropriação territorial na periferia do capitalismo. Caderno CRH, Salvador, v. 27, n. 72, p. 613-627, Set/Dez 2014

BECK, Ulrich. A Política na Sociedade de risco. Idéias. Campinas (SP)|n. 1|nova série|2º semestre. 2010.

CANOTILHO, José Joaquim; MORATO LEITE, José Rubens. Direito constitucional ambiental brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2011.

CARVALHO, Murilo José. Mandonismo, Coronelismo, Clientelismo: Uma Discussão Conceitual. Rio de Janeiro 1997 v. 40 n. 2

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Tradução Heci Regina Candiani – 1. Ed. – São Paulo: Boitempo, 2016.

DAWKINS, Richard. O gene egoísta. São Paulo. Companhia das Letras. 2017

DIEESE (Departamento Intersindical de estatísticas e estudos socioeconômicos). O Emprego doméstico no Brasil. N 68. Agosto de 2013. Retirando em <https://www.dieese.org.br/estudosetorial/2013/estPesq68empregoDomestico.pdf> acesso em julho 2019

FREIRE, Paulo Reglus Neves. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. Apresentação de Ana Maria Araújo Freire. Carta-prefácio de Balduino A. Andreola. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

IBOPE. Instituto Brasileiro de Opinião e Estatística. 2011.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2017.

LAYRARGUES, Philippe Pomier. Muito prazer, Sou a educação ambiental, seu novo objeto de estudo sociológico. Anais do Iº Encontro da ANPPAS. 2002.

LAYS, Helena Paes e Silva. Ambiente e justiça: sobre a utilidade do conceito de racismo ambiental no contexto brasileiro, e-cadernos ces [Online], 17 | 2012.

LOUREIRO, Frederico Carlos. Sustentabilidade e Educação: um olhar da ecologia política. São Paulo. 2012. Cortez Editora. (Coleção questões da nossa época v. 39).

LOUREIRO, Frederico Carlos, Educação Ambiental e Epistemologia Crítica, Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambient. E-ISSN 1517-1256, v. 32, n.2, p.159-176, jul./dez. 2015

OXFORD, Dictionaries. 2016. Retirado em <https://languages.oup.com/word-of-the-year/word-of-the-year-2016>

POSTONE, Moishe. Tempo, trabalho e dominação social. São Paulo: Boitempo, 2014.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del Poder, Cultura y Conocimiento en América Latina. In: Anuário Mariateguiano. Lima: Amatua, v. 9, n. 9, 1997

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. En libro: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. Setembro 2005. p.227- 278.

GREENPEACE BRASIL. Vitimas de Chernobyl. 18 mar. 2011. Disponível em: <http://www.greenpeace.org/brasil/pt/Greenblog/vtimas-de-chernobyl/blog/33819/>. Acesso em: 22 de julho de 2019.

Downloads

Publicado

2020-08-21

Como Citar

Lazzari, E., & Botton Barcellos, S. (2020). Da colonialidade à sociedade de risco: a posição da Educação Ambiental em frente a esse diálogo. REMEA - Revista Eletrônica Do Mestrado Em Educação Ambiental, 37(3), 349–364. https://doi.org/10.14295/remea.v37i3.10928

Edição

Seção

Seção Especial: XI EDEA - Encontro e Diálogos com a Educação Ambiental