O processo de empresarização das emoções na Educação e as novas configurações do trabalho docente

Autores

  • Débora da Silva Olivo
  • Larissa Ferreira Tavares Universidade Federal do Rio Grande
  • Marcio Silva Rodrigues Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.14295/reis.v7i1.15815

Palavras-chave:

Empresarização, Emoções, Educação

Resumo

O presente estudo constitui uma aproximação inicial e inédita entre a Teoria da Empresarização e a Sociologia das Emoções e possui um duplo objetivo: construir a categoria empresarização das emoções e discuti-la a partir do contexto educacional. De forma geral, materializando-se por meio de recursos como o controle e a burocracia, além dos fundamentos que caracterizam a ideia de empresa, como a competição e a produção de necessidades, e definindo subjetividades por meio de linguagem própria, o processo de empresarização consolida a ideia de empresa no plano material, subjetivo e das sensibilidades. A empresarização das emoções representa, assim, a complexidade com que tal processo reconfigura as práticas de trabalho e o indivíduo, definindo-o como a expressão de um capital humano. No campo da educação, isso implica em novas formas de trabalho docente, materializadas no sujeito professor por meio da centralidade de suas emoções.

Biografia do Autor

Débora da Silva Olivo

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Pelotas (PPGS/UFPel)

Larissa Ferreira Tavares, Universidade Federal do Rio Grande

Professora Adjunta do Instituto de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis da Universidade Federal do Rio Grande (ICEAC/FURG)

Marcio Silva Rodrigues, Universidade Federal de Pelotas

Professor Associado do Centro de Ciências Sócio-Organizacionais da Universidade Federal de Pelotas (CCSO/UFPel)

Referências

BERICAT, Eduardo. The sociology of emotions: four decades of progress. Current Sociology, n. 64, v. 3, 2016.

CABANAS, Edgar; ILLOUZ, Eva. HAPPYCRACIA. Cómo la ciencia y la industria de la felicidad controlan nuestras vidas. Barcelona: Paidós, 2019.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. Tradução: Mariana Echalar. 1. ed. Paris, France: Boitempo, 2009.

DUQUIA, Andressa; FRANZ, Alice; BARCELOS, Márcio; RODRIGUES, Marcio. Políticas Públicas e Estudos Organizacionais: uma articulação teórica para a análise das formas de organização de programas de pós-graduação na Universidade Federal de Pelotas (Brasil). Arquivos Analíticos de Políticas Educativas. v. 30, n. 142, 2022.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da Biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1987.

FRANZ, Alice; LEITE, Elaine; RODRIGUES, Marcio. O processo de empresarização e o discurso da universidade empreendedora: uma análise da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 28, n.177, 2020.

GAULEJAC, Vincent de. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. São Paulo: Idéias e Letras, 2007.

HOCHSCHILD, Arlie Russel. Emotion Work, Feeling Rules, and Social Structure. American Journal of Sociology, v. 85, n. 3, 1979.

HOCHSCHILD Arlie. The Managed Heart: the commercialization of human feeling. Berkeley: University of California Press, 1983.

ILLOUZ, Eva. O Amor nos Tempos do Capitalismo. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

KOURY, Mauro G. P.; SCRIBANO, Adrián. Sociologia e Antropologia dos Corpos e das Emoções. RBSE – Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 11, n. 33, 2012.

KEMPER, Theodore. D. (2006). Power and Status and the Power-Status Theory of Emotions. In: Stets, J.E., Turner, J.H. (eds) Handbook of the Sociology of Emotions. Handbooks of Sociology and Social Research. Springer: Boston, MA. https://doi.org/10.1007/978-0-387-30715-2_5.

LAVAL, Christian. A Escola não é uma empresa: o neo-liberalismo em ataque ao ensino público. São Paulo: Boitempo, 2019.

LISDERO, Pedro.; QUATTRINI, Diego. Trabajo y Sensibilidades: un análisis de la gestión de los cuerpos y las emociones en algunos espacios de trabajo. Revista Novos Rumos Sociológicos, v. 8, n. 13, 2020.

NEVES, Maria Lúcia W. (org.). O empresariamento da educação: novos contornos do ensino superior no Brasil dos anos 1990. Rio de Janeiro: Xamã, 2001.

RODRIGUES, Marcio S. O novo ministério da verdade: o discurso de VEJA sobre o campo do Ensino Superior e a consolidação da empresa no Brasil. Tese (Doutorado em Administração) – Programa de Pós-graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

RODRIGUES, Marcio. S.; SILVA, Rosimeri C. da. Empresarização e modernidade: a ideia de empresa no centro do mundo. Revista Brasileira de Estudos Organizacionais, v. 6, n. 1, 2019a.

RODRIGUES, Marcio S.; SILVA, Rosimeri C. da. Nova república, novas práticas: uma análise do processo de empresarização do ensino superior no Brasil (1990 - 2010). Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade (Farol), v. 6, n. 15, 2019b.

SARTRE, Jean-Paul. Esboço para uma Teoria das Emoções. Porto Alegre: L&PM, 2010.

SCRIBANO, Adrian. A modo de epílogo. ¿Por qué una mirada sociológica de los cuerpos y las emociones? Cuerpos, subjetividades y conflictos: hacia una sociología de los cuerpos y las eociones desde Latinoamérica. 1a ed.- Buenos Aires: Fundación Centro de Integración, Comunicación, Cultura y Sociedad - CICCUS, 2009.

SCRIBANO, Adrian. Sociología de los cuerpos/emociones. Revista Latinoamericana de Estudios sobre Cuerpos, Emociones y Sociedad, v. 10. ano 4. 2012.

SOLÉ, Andreu. A Empresarização do Mundo. (Traduzido). Paris: Le Cherche Midi, 2008.

TAVARES, Larissa. Em busca da melhor versão contra si mesmo: sobre o coaching, a verdade e o governo pela liberdade no neoliberalismo. Tese (Doutorado em Administração) – Centro Sócio-Econômico, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2021.

TRAGTENBERG, Maurício. Sobre educação, política e sindicalismo. São Paulo: UNESP 2004.

Downloads

Publicado

2024-04-02

Como Citar

da Silva Olivo, D., Ferreira Tavares, L. ., & Silva Rodrigues, M. (2024). O processo de empresarização das emoções na Educação e as novas configurações do trabalho docente. Revista Eletrônica Interações Sociais, 7(1), 42–57. https://doi.org/10.14295/reis.v7i1.15815

Artigos Semelhantes

<< < 1 2 3 4 5 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.