CHAMADA PARA O DOSSIÊ -Descolonizar as Crianças e as Infâncias em Processos de (Des)Aprendizagens com os saberes religiosos: o que pode uma criança nos ensinar

Desde o século XIX, temos acompanhado importantes processos de lutas a favor da produção de um mundo mais humano, mais justo e diverso. Na produção desse mundo possível, as práticas e saberes religiosos, os mais diversos, se põem em disputa de narrativas e de práticas, afirmando e produzindo ruídos no projeto da modernidade branca e judaico-cristã. Diante lutas travadas de tempos dentro de tempos, encontramos narrativas que nos dizem “do fim da escravidão”, “da emancipação dos povos colonizados”, “da mudança no estatuto da mulher na sociedade”, “da ampliação de direitos civis de grupos minoritários e subalternizados” e da “possibilidade de existir com dignidade fora do eixo dos saberes e poderes cristãos”. Diante de significativos avanços no campo do direito de existir na diferença, uma forma-sujeito, especificamente a criança, parece se manter impedida, mediante poderes colonizadores e pastorais de existir em outra condição criança e de nos contar/provocar outras versões sobre si e sobre nós. Nesse sentido, aqui nesse Dossiê nos perguntamos, não terá chegado a hora de alçar a criança a um novo estatuto narrativo, porque vivido? O que as práticas e saberes religiosos de crianças com seu mundo, podem nos dizer.
Este Dossiê ousa pensar/desejar/rememorar e narrar as crianças e infâncias entre práticas, saberes, cosmovisões, epistemologias, que se produzem na contramão do projeto moderno de conformação e colonização da infância pelos adultos a partir de uma única versão possível de humanidade e de sagrado. Contar e problematizar o que somos, entre práticas crianceiras no manuseio dos saberes religiosos é o que nos faz, nesse Dossiê, provocar o convite de bons pensamentos!

Organização: Prof. Dr. Alexsandro Rodrigues
Submissão até: 15 de março