Uma leitura da Revista de Antropofagia: o espectro da Revolução Bolchevique?

João Marques Lopes

Resumo


Provavelmente, as leituras mais comuns da Revista de Antropofagia são aquelas que afirmam que a mesma empurrou a revolução modernista brasileira até aos limites da vanguarda estética ou foi uma utopia ideológica no cruzamento entre uma teoria do Brasil e da sua inserção no sistema-mundo. Além disso, a Revista de Antropofagia raramente tem sido seriamente percebida como um fenómeno político e classista. Assim sendo, não surpreende que a influência (in)consciente que o marco histórico da Revolução Bolchevique exerceu sobre o a Revista de Antropofagia e o grupo dos “antrópofagos” tenha sido pouco aprofundada pela scholarship.
Este artigo pretende fazer uma close reading das duas dentições da Revista de Antropofagia à luz desta temática. Sustenta que esta revista e os “antropófagos” mantiveram uma relação (in)consciente de ignorância, medo e atração face à Revolução Bolchevique, mas que Oswald de Andrade, Pagú, Geraldo Ferraz e Oswaldo Costa, ao criarem o jornal O Homem do Povo ou ao se alistarem no PCB, vieram a adquirir a “consciência possível” diante de tão complicado fenómeno histórico. Talvez esta “consciência possível” e O Homem do Povo possam ser entendidas como uma espécie de “terceira dentição” da Revista de Antropofagia.

Palavras-chave


Revista de Antropofagia. Revolução Bolchevique. Marxismo. Inconsciente. “Consciência possível”. Oswald de Andrade

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Historiæ, ISSN 1519-8502, E-ISSN 2238-5541, Rio Grande/RS, Brasil