Amor em tempo de guerra: as "madrinhas de guerra" no contexto da guerra colonial portuguesa (1961-1974)

Fernando Manuel Santos Martins

Resumo


O fenómeno político-militar, mas também social, designado em Portugal e na Europa como "madrinhas de guerra", emergiu e consolidou-se durante a Primeira Guerra Mundial. As "madrinhas de guerra" nasceram de uma fatalidade que aquele conflito militar provocou e que depois se reproduziria em muitos outros ao longo do século XX. Após a intervenção na grande guerra, e para além do desenrolar de algumas campanhas de pacificação em territórios coloniais, ou da participação de voluntários portugueses na guerra civil de Espanha, Portugal e os portugueses mantiveram-se à margem de quaisquer grandes conflitos militares que fizeram o mundo depois de 1919, como foi o caso da Segunda Guerra Mundial ou da Guerra da Coreia. Só em março de 1961 voltaram os portugueses a ser chamados para pegar em armas. Não tardaria muito tempo para que, à sombra do movimento nacional feminino, o fenómeno das "madrinhas de guerra" ressuscitasse. É esse ressuscitar, enquanto fenómeno de mobilização político-ideológico e social envolvendo milhares de mulheres portuguesas, que trata este texto.

Palavras-chave


Portugal. Colonialismo. Guerra colonial. Movimento nacional feminino. Estudos de gênero.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Historiæ, ISSN 1519-8502, E-ISSN 2238-5541, Rio Grande/RS, Brasil