Em defesa de uma ‘caixinha de lembranças’ de imigrantes do segundo pós-guerra:

o patrimônio a partir do acervo particular da família Egert

Autores

  • Rodrigo dos Santos Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO

Resumo

A migração é um fenômeno que atinge todos, durante algum momento da vida, o deslocamento se efetiva tanto de forma física, ida para algum lugar, como simbólica, construído nas e pelas representações que fazemos de pessoas e lugares. Nesse sentido, sempre articulando o presente e o passado, o artigo discute a relevância de uma “Caixinha de Lembranças” de uma família de imigrantes do segundo pós-guerra, denominada pelo sobrenome Egert, para a construção do conhecimento histórico. Para atingir tal objetivo, utiliza-se metodologicamente de conceitos como cultura e patrimônio, enfatizando a salvaguarda de uma memória. Como resultados, foram percebidos, não apenas a relevância da temática para a área de Ciências Humanas e Sociais e a sua ressignificação, mas a necessidade da preservação de acervos particulares e a sua utilização na educação patrimonial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo dos Santos, Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO

Possui graduação em História (UNICENTRO), e Sociologia (UNINTER). Especialização em Educação do Campo (ESAP) e Docência do Ensino Superior (UNOPAR). Mestrado em História (UNICENTRO). Doutorado em História (UEM). Tem experiência na área História e atua nos temas: Educação do Campo, Imigração do segundo pós-guerra e Patrimônio Cultural. Atualmente é Professor  no Departamento de História (DEHIS/G) na Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), membro do Grupo de Pesquisa Campo, Movimentos Sociais e Educação do Campo (MOVECAMPO) e do Laboratório da Educação do Campo e Indígena (LAECI). E-mail: digao_santos9@hotmail.com

http://lattes.cnpq.br/3733336905025872

Downloads

Publicado

2021-07-01

Como Citar

dos Santos, R. . (2021). Em defesa de uma ‘caixinha de lembranças’ de imigrantes do segundo pós-guerra: : o patrimônio a partir do acervo particular da família Egert. Historiæ, 12(1), 214–230. Recuperado de https://periodicos.furg.br/hist/article/view/12475