O que de Rosa há em Pagu: influxos revolucionários feministas no Brasil

Jessica Antunes Ferrara

Resumo


O objetivo deste breve estudo é reler as proposições de Rosa
Luxemburgo aplicadas às experiências da escritora e militante
brasileira Patrícia Galvão, a Pagu, considerando o impacto que pensadoras revolucionárias tiveram sobre a formação político-
ideológica da modernista. Embora Pagu não tenha explicitado se de fato lera as obras da revolucionária polonesa, de acordo com críticos como Antônio Risério (2014, p. 35), ela pode ser considerada uma espécie de Rosa Luxemburgo brasileira, observando, é claro, suas particularidades de pensamento e de atuação política em um determinado contexto. Será necessário, portanto, traçar uma trajetória histórica que nos permita encontrar os influxos, as especificidades e os conflitos que dão o tom de toda forma comparativista de análise. É meu objetivo compreender de qual maneira as proposituras de Rosa foram deglutidas por Pagu, ao mesmo tempo em que procuro vislumbrar novas práticas que permitam a ação direta das mulheres no campo político brasileiro.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Historiæ, ISSN 1519-8502, E-ISSN 2238-5541, Rio Grande/RS, Brasil


PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ