Dossiê: Políticas públicas no século XXI

2021-04-27

É curioso como o século XXI anunciou sua aurora recheado de paradoxos. Ao mesmo tempo em que ocorre o renascimento das teorias que defendem o Estado mínimo e a emergência de um neoconservadorismo religioso e anticientífico, surge uma pandemia devastadora, a Covid-19. Além da contemporaneidade histórica em que acontecem em que estes fenômenos se conectam?
Se conectam exatamente nas políticas públicas e no crescimento da protagonismo do Estado como salvaguarda da vida. Sim, a Covid-19 mostra mais uma vez que quando tudo e todos falham é o Estado que precisa dar conta de resolver o problema. Quando grandes bancos e empresas falem, quando acontece uma catástrofe atmosférica, uma guerra, uma pandemia, é o Estado que se movimenta para minimizar os efeitos e / ou tentar construir soluções.
É claro que não faltam tolos para tentar desmentir essa informação e o fazem, por exemplo, falado das empresas que estão criando as vacinas contra o Coronavirus. Estes cínicos esquecem de mencionar que tais empresas são públicas, tal como o Fundo Soberano Russo que produziu a Sputinik, ou de empresas privadas financiadas à montante com renúncias fiscais incomparáveis ou à jusante com dinheiro oriundo do caixa dos Estados ou das organizações multilaterais, tais como a ONS .
Seguramente temos muito mais dúvidas que certezas, uma das quais é que o Estado continua e continuará sendo muito importante para a manutenção da qualidade de vida das populações e, por esta razão, as políticas públicas continuarão sendo um objeto privilegiado de pesquisa.
A Campos Neutrais: Revista Latino-Americana de Relações Internacionais em parceria com o Núcleo de Estudos em Políticas Públicas e Opinião (NEPPU) oferece este espaço à comunidade acadêmica e científica para divulgar resultados de pesquisas de alto nível sobre a atualidade da análise das políticas públicas no século XXI.
O objetivo deste dossiê é oportunizar um espaço para a publicação de resultados de pesquisa e, também, reflexões teóricas sobre a agenda, implementação, acompanhamento e avaliação de políticas públicas.

Os manuscritos serão recebidos até 10 de maio de 2021