Efeito da salinidade e temperatura sobre a taxa de metamorfose de náuplios para Protozoea e sobre a qualidade das larvas de Litopenaeus vannamei

Hadja Radtke Nunes, Edemar Roberto Andreatta

Resumo


Temperatura e salinidade são dois dos fatores abióticos que mais afetam o crescimento e sobrevivência dos organismos aquáticos. A fim de estimar os níveis ótimos de salinidade e temperatura para a metamorfose de náuplios de Litopenaeus
vannamei para protozoea I, foram realizados dois experimentos separados avaliando a taxa de metamorfose e qualidade das larvas. Os níveis de salinidade testados foram 29, 31, 33 e 35 e de temperatura 25, 30 e 35oC. Os dados foram submetidos à ANOVA unifatorial (nível de significância 5%), seguida pelo teste de Tukey para comparação de médias. Não foram verificadas diferenças significativas entre as porcentagens de metamorfose nas diferentes salinidades e temperaturas testadas (p>0,05). A qualidade das larvas não foi afetada pela salinidade dentro da faixa testada, mas foi significativamente menor (p<0,05) na temperatura de 35oC do que nos demais tratamentos. Assim, a faixa de salinidade de 29 a 35 foi considerada adequada à metamorfose dos náuplios, mas o intervalo de temperaturas entre 25 e 35oC não foi considerado ideal. Isto porque o nível mais baixo testado aumentou o tempo de desenvolvimento entre os estágios de náuplio e protozoea I e o mais alto causou a expansão dos cromatóforos das larvas, indicando uma condição de estresse.

Palavras-chave


Metamorfose; qualidade; larvas; salinidade; temperatura; Litopenaeus vannamei

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5088/atlântica.v33i1.2687

ATLÂNTICA (RIO GRANDE), ISSN eletrônico: 2236-7586 / ISSN impresso: 0102-1656, Rio Grande/RS, Brasil