Hidrodinâmica do Saco da Mangueira: mecanismos que controlam as trocas com o estuário da Lagoa dos Patos

Igor Oliveira Monteiro, Marcia Luiza Pearson, Osmar Olinto Möller Junior, Elisa Helena Leão Fernandes

Resumo


O Saco da Mangueira (SM) é uma enseada semifechada, conectada ao estuário da Lagoa dos Patos. Devido a sua importância local, esta enseada está sujeita a sérios impactos antrópicos. Com a finalidade de fornecer subsídios para o manejo deste ambiente, os objetivos deste trabalho foram: 1) determinar os fatores que controlam a hidrodinâmica do SM; 2) avaliar o efeito que mudanças na geomorfologia do SM teriam na dinâmica do local. Para isso realizaram-se experimentos com o modelo hidrodinâmico de elementos finitos TELEMAC. Os resultados das simulações mostraram que as principais forçantes da circulação do SM são as oscilações submareais no canal estuarino, e a ação local do vento sobre as águas desta enseada. A salinização do SM apresentou um tempo de resposta de 26 horas em relação ao regime de enchente no estuário. Simulações feitas para diferentes cenários mostraram que a construção da Ponte dos Franceses reduziu as trocas (redução de área) e intensificou a velocidade da corrente entre a enseada e o canal estuarino, causando significativas alterações morfológicas. Além disso, a alteração morfológica da conexão entre a enseada e o estuário, como uma alternativa de manejo, não alterou significativamente as trocas entre estes dois ambientes.

Palavras-chave


modelagem numérica, enseada rasa, hidrodinâmica, Lagoa dos Patos, modeling, shallow embayment, hydrodynamics, Patos Lagoon

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5088/atlântica.v27i2.2175

ATLÂNTICA (RIO GRANDE), ISSN eletrônico: 2236-7586 / ISSN impresso: 0102-1656, Rio Grande/RS, Brasil