Distribuição de nutrientes dissolvidos e Clorofila-A no estuário do Rio Cachoeira, Nordeste do Brasil

Marcelo Friederichs Landim de Souza, Gilmara Fernandes Eça, Maria Aparecida Macedo Silva, Fábio Alan Carqueija Amorin, Ivon Pinheiro Lôbo

Resumo


Nutrientes inorgânicos dissolvidos, nitrogênio total (NT) e fósforo total (PT), clorofila-a e salinidade foram analisados no estuário do Rio Cachoeira antes e depois da operação de uma estação de tratamento de esgoto (ETE). As concentrações de nutrientes inorgânicos dissolvidos apresentaram grande variação, com valores desde abaixo do limite de detecção a > 45 μM para silicato, > 30 para o nitrogênio amoniacal e > 28 μM para o nitrito. As concentrações de nitrato foram baixas. A clorofila-a variou desde abaixo do limite de detecção a > 60 μg . L-1. A razão molar de nitrogênio e fósforo inorgânico dissolvido (NID:PID) foi maior que a de Redfield (N:P = 16:1) antes e depois da operação da ETE, decrescendo nos meses seguintes. A razão média SiD:NID foram < 1:1. A SiD:PID foi geralmente < 16:1, indicando que o silicato pode estar limitando a produtividade primária. As concentrações de NT foram altas (56,6 - 310 μM). O PT variou de 2,07 a 3,54 μM. As concentrações de nutrientes e clorofila-a encontradas neste estudo são características de ecossistemas eutrofizados. A ETE e outras fontes pontuais contribuem com uma elevada carga de nutrientes para este estuário, levando a eutrofização desse sistema.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5088/atlântica.v31i1.1537

ATLÂNTICA (RIO GRANDE), ISSN eletrônico: 2236-7586 / ISSN impresso: 0102-1656, Rio Grande/RS, Brasil